[vídeo] Travel Self(ies)

Fazia algum tempo já que eu queria fazer uma vídeo colagem com todas as selfies que tirei pelas minhas andanças, viajando sozinha ou acompanhada. E pra ser sincera, nunca tinha feito por pura preguiça…

Até que hoje sentei em frente ao computador e em pouco tempo o vídeo estava pronto. O que demorou mesmo foi encontrar as fotos em todas as milhares de pastas de todas as viagens.

Assiste pra ver como ficou!

Nas fotos, aparecem comigo: Fernanda, Lia, Jana, Ale, Ed, Paula, Isa, Helda, Thiago, Guilherme, Alana, Júlia, Monique, Katha, Vi, Luana, Cristiano, Dani, Clayton e, claro, o Augusto ❤

E quer saber onde as fotos foram tiradas?

Lisboa – 2009
Madri – 2009
Barcelona – 2011
Paris – 2009 | 2011
Versailles – 2009 | 2011
EuroDisney – 2011
Amsterdam – 2009 | 2013 | 2014
Zaanse Schans – 2009
Berlim – 2009 | 2011
Frankfurt – 2009
Roma – 2009
Buenos Aires – 2013
Londres – 2013
Glasgow – 2013
Edimburgo – 2013
Colônia – 2013
Munique – 2013
Viena – 2013
Budapeste – 2013 | 2014
Praga – 2014
Utrecht – 2013 | 2014
Zaandam – 2014
Rio de Janeiro – 2014
Brasília – Vários anos, nem sei hahaha.

E aí, o que acharam?

Posts atrasados: planejamento da viagem de fim de ano.

Aproveitando que atualizei a página de Viajando Barato aqui no blog, com dicas de sites para encontrar e comprar passagens (de ônibus, trem e avião) e reservar hostel, vou começar os trabalhos finalmente sobre a viagem de fim de ano.

Antes de tudo o planejamento!

A ideia era simples: eu teria duas semanas para viajar no final do ano. Seria de um sábado, dia 21 de dezembro até um domingo, dia 05 de janeiro. Na verdade eu estava livre para zarpar à partir das 19:00 horas da sexta, dia 20, mas aí já seria desespero demais hahaha, então acabei estabelecendo essas datas mesmo. O que eu queria, claro, era aproveitar as férias ao máximo e depois de ter estabelecido o tempo de viagem, veio a grande questão: o destino.

Eu já tinha tido a oportunidade em outras visitas à Europa de conhecer capitais e outros destinos turísticos de Portugal, Espanha, França, Alemanha, Áustria e Itália. Também fui pra Londres, Glasgow e Edimburgo nas férias de outono, em outubro de 2013… Quando chegou a hora de escolher o destino das férias de fim de ano, eu decidi que queria passar um natal gelado. Muitas meninas aproveitam para ir para destinos com temperaturas mais amenas, mas considerando que eu sou brasileira e todo natal aqui é quente e ensolarado, aquela era uma ótima oportunidade para passar um natal com cara de natal… ou sei lá, um natal que justifica um Papai Noel com roupa de inverno.

Comecei a pesquisar preços e locomoção para a Escandinávia, meu destino de desejo maior até hoje, porque assim que comecei houve duas coisas que me desencorajaram a perseguir esse destino: os preços estavam completamente fora da minha realidade (eu teria que fazer um aperto forte e um malabarismo financeiro bem danado) e conversando com pessoas que entendem de frio, ir para um lugar assim quando está tão frio, numa época onde todos ficam em casa e celebram as festas de fim de ano em família, eu não veria nem faria muito. O clima melancólico tinha um forte potencial. Então a ideia de passar por Copenhague, Bergen, Oslo, Estocolmo e Helsinki não foi pra frente.

Depois de desistir da Escandinávia, virei-me para outro canto que já tinha passado perto, mas não tinha explorado propriamente: Europa Oriental. Quer dizer, eu acho que no final das contas foi uma Europa semi-Oriental a que visitei, mas mesmo assim. Conversando com algumas meninas e explorando bastante o mapa do continente escolhi que passaria por Praga, Budapeste, Viena e Munique. Como teria tempo resolvi incluir Colônia também na lista.

Vale lembrar que quando fiz esse planejamento eu ainda não sabia que voltaria pro Brasil, talvez se soubesse teria incluído um destino diferente de Colônia, ou até mesmo teria dado uma passadinha em Berlim pra ver a Raquel.

Decidido os destinos, comecei a pesquisar preços e preços e preços. Juro que fiquei mais de uma semana olhando e comparando todas as opções de meio de transporte que eu tinha. Quando eu finalmente tinha estabelecido tudo e fui comprar. Os preços tinham subido muito e foi aí que eu resolvi ver se caso eu invertesse a ordem das cidades, eu conseguiria um preço melhor. E sim! Da primeira vez eu iria primeiro para Praga num trem noturno saindo de Utrecht. De lá iria de trem para Budapeste, que de trem seguiria para Viena, seguindo novamente por trilhos até Munique, de onde um trem me levaria pra Colônia. No meu último destino, embarcaria num trem que me levaria novamente pra Utrecht. Todo o trajeto seria de trem e fácil, porém com a subida de valores inverti tudo e mudei alguns trens por ônibus.

A ordem passou a ser: Baarn > Colônia (trem); Colônia > Munique (ônibus); Munique > Viena (trem); Viena > Budapeste (trem); Budapeste > Praga (ônibus); e por fim, Praga > Baarn (trem)

Parte 1: De Baarn para Colônia
No dia 21 de janeiro, peguei um trem às 08:21 em Baarn e cheguei em Colônia cerca de 5 horas depois, após trocar de trem em Utrecht, Eindhoven, Venlo (na Holanda) e Mönchengladbach na Alemanha. Valeu a pena? Eu gosto de acreditar que sim. O trem direto custava mais de 40 euros, eu peguei 5 trens e paguei menos de 30. Além disso, toda essa troca de trens foi bastante aventurosa hahaha.

Fiquei em Colônia por 2 noites e me hospedei no Weltempfänger Backpacker Hostel, que é bem fácil de chegar (fica na cara do metrô) e você leva 10 minutos caminhando até o centro.

Colônia - Köln - Cologne

Colônia – Köln – Cologne

Parte 2: De Colônia para Munique
No dia 23 de dezembro, lá estava eu às 7:00 da manhã no ponto de saída do ônibus para segui viagem primeiro até Frankfurt e depois até Munique. O ônibus sairia de Colônia às 7:45 e eu chegaria em Munique às 19:00. Seriam cerca de 10 horas de ônibus. Valeu a pena? Bom, eu paguei cerca de 40 euros na passagem. Comparado ao preço do avião e do trem, foi um valor bem inferior e apesar de eu não ter conseguido um ônibus para viajar durante a madrugada, foi bom porque eu estava com uma febre horrorosa e eu pude ficar o dia inteiro quietinha, quentinha, cochilandinho.

Em Munique fiquei hospedada num hostel super próximo do centro e da estação central da cidade, tipo ficava na rua em frente a estação: sucesso. Sem falar que o Wombats City Hostel Munich tem uma estrutura bem grande e com ótimas áreas de convivência, café da manhã gostoso e quartos muito bons!

Munique - München - Munich

Munique – München – Munich

Parte 3: De Munique para Viena
A viagem de trem entre Munique e Viena não é longa, demora cerca de 4 horas. Isso quer dizer que um trem noturno não compensa e considerando que o dia clareia às 9 da manhã praticamente e às 4 da tarde já está quase escuro de novo, o legal seria viajar enquanto havia luz no dia. Saí de Munique às 13:30 do dia 26 de dezembro e cheguei em Viena no fim da tarde. Valeu à pena? Sim! O preço foi bom (60 euros) num trajeto que o ônibus demoraria muito mais e não estava tão mais barato. Sem falar que o trem que faz esse percurso direto (apenas uma parada de 6 minutos em Salzburg) é mega confortável, compensa bastante. Você viaja tranquilo.

Em Viena fiquei no Hostel Ruthensteiner, um hostel legal, bem próximo do metrô e da estação central da cidade, além de ser a só uns 20 minutos de caminhada do Palácio de Schönbrunn. O preço estava ótimo, mas talvez por um pouquinho mais eu tivesse ficado num melhor.

Viena - Wien - Vienna

Viena – Wien – Vienna

Parte 4: De Viena para Budapeste
De trem, Viena e Budapeste ficam à um pulo de distância. Não demora nem três horas e foi isso o que eu fiz. No dia 29 de dezembro peguei um trem às 19:00 na Hauptbahnhof de Viena e antes das 22 já estava lá em Budapeste! Se valeu à pena? Nossa, demais! O preço foi ótimo: 29 euros. E a estação de trem de Budapeste é muito mais acessível que o terminal de ônibus. Eu poderia ter ido andando (daria uns 20 minutos) da estação central de Budapeste para o Hostel, mas pelo horário escolhi pegar o metrô e rapidinho cheguei lá, mesmo tendo me perdido um pouco depois de sair da metrô hehehe.

O hostel Casa de la Musica era bem legal, conheci pessoas ótimas, a segurança boa e os banheiros eram bem legais. Mas minha amiga pegou bedbugs (e eu não, apesar de estarmos na mesma beliche).

Budapeste - Budapest - Budapest

Budapeste – Budapest – Budapest

Parte 5: De Budapeste para Praga
Esse foi o pior trecho da viagem. Fui de ônibus e as estradas são bem esburacadas e eu passei a viagem inteira tremendo e balançando hahaha. Sem falar de que no meio do caminho o ônibus parou, o motorista falou algo, todo mundo desceu e trocou de ônibus, até aí tudo bem, o problema é que tudo isso aconteceu num idioma que eu não falo nem reconheço (e eu até agora não sei se foi em tcheco ou húngaro, ou se foi até mesmo em eslovaco hahaha – até porque eu não sei em que país eu tava nessa hora). Segui o povo e antes de entrar no outro ônibus eu mostrei a passagem pro motorista que me indicou positivamente para entrar no ônibus. Sei lá, só sei que cheguei em Praga hahaha. Valeu à pena? Eu acho que sim. O preço na passagem está em HUF, florins húngaros, e eu acho que foi barato sim, foram 6500 HUF para uma viagem de 7 horas. Eu me lembro que minha amiga que foi comigo para Praga estava sem passagem e fomos juntas até a estação de trem comprar uma passagem pra ela. Ela pagou acho que 40 euros e eu fiquei morrendo de inveja pra ir com ela de trem. Mas né? Não ia desperdiçar uma passagem de ônibus comprada com antecedência. (olhei no google, hoje 6500 Hungarian forints = 20.6130549 Euros, que em reais dá 62 reais)… é valeu à pena sim.

Em Praga eu fiquei no Fusion Prague Hotel (eles são chiques e não se chamam de hostel). A localização é uma maravilha: são 2 quarteirões da estação de trem central da cidade, são uns 7 quarteirões da Autobusové nádraží Praha Florenc, o terminal de ônibus internacionais e à caminhadas tranquilas de tudo o que você quer ver em Praga. Sério! Sem falar que os quartos são ótimos, enormes, camas gostosas, banheiro com um chuveiro delicioso e tudo super novo. Recomendo muito forte.

Praga - Praha - Prague

Praga – Praha – Prague

Parte 6: De Praga para Amsterdam
Enquanto eu viajava, minha volta para o Brasil tinha sido acertada para o dia 06 de janeiro, o dia imediatamente após minha volta à Holanda, e como eu já tinha deixado tudo praticamente pronto lá em Baarn e meu voo sairia as 8:00 da manhã de Schiphol, meus hosts acharam melhor reservar um hotel para mim já no aeroporto para facilitar a minha movimentação final. Por isso acabei não voltando exatamente para Baarn, mas sim para Amsterdam.

Minha passagem era entre Praga e Utrecht, apesar de o trem seguir sim para a Amsterdam Centraal. No final do meu último dia de viagem propriamente viajando, peguei minha malinha e segui a pé do hostel para a estação central de Praga. Lá, às 18:30 do dia 4 de janeiro, peguei o trem noturno que me levaria de volta para a Holanda. Antes da meia noite já estávamos parados na Berlim Ostbahnhof e me deu um aperto enorme no coração estar tão próxima à Raquel e não poder vê-la. Depois de uma parada de cerca de meia hora na capital Alemã, o trem seguiu viagem e após inúmeras paradas que mal percebi pois dormia, o trem chegou na Holanda por volta das 7:00 da manhã do dia 05 de janeiro. Depois de uma parada não muito gostosa para verificação de passaporte/documentação seguimos viagem e finalmente o trem parou em Utrecht. Como já havia tido uma verificação de passagens junto com os passaportes e o destino final mesmo era Amsterdam, eu até poderia ter continuado no trem porque dificilmente alguém viria verificar novamente as passagens, mas como sou chatinha/medrosa para essas coisas, escolhi descer do trem e pegar um intercity mesmo até Amsterdam.

 

Amsterdão - Amsterdam - Amsterdam

Amsterdão – Amsterdam – Amsterdam

Todas as fotos do post foram tiradas por/pertencentes a mim.

Chegando lá

Percebi que tenho bastante história que quero contar e então o melhor a fazer (depois de explicar como descubro o que fazer num destino e como chego nesses “o que fazer” quando já estou no meu destino), é dar dicas úteis de verdade.

Antes de mais nada: para brasileiros entrarem em países da União Européia não é necessário nenhum tipo de visto, desde que o brasileiro comprove que não passará mais de 90 dias por lá e que tem como se manter nesse período. Então antes de embarcar é sempre bom ter os comprovantes de reserva em mãos, alguns euros e os cartões que usará por lá, além de, é claro, um passaporte válido.

Existem dezenas de empresas aéreas que podem te levar até a Europa partindo do Brasil. Isso você já deve saber. O difícil é descobrir qual empresa aérea pode te levar até lá da melhor maneira possível pelo menor preço.

O decolar.com é apenas um dos diversos sites que mostram as opções de voos mais baratos para os mais diversos destinos. Além dele, o submarino viagens é outra boa opção nacional. Entre as gringas o sky scanner cumpre muito bem essa função e agora o site tem uma versão em português do Brasil. O hipmunk é uma alternativa mais engraçada, moderninha e traz as informações de um jeito bem bacana: o site te mostra não só as viagens, mas também quanto de agonia elas irão te trazer. Uma barrinha bonitinha te mostra o tempo de voo, o tempo de solo e você consegue visualizar melhor se vale a pena ou não aquela conexão de 10 horas pra pagar 300 reais mais barato numa passagem.

Ah! E isso também é bem legal de reparar! Algumas vezes, em todos as opções supracitadas, encontramos algumas pechinchas, mas antes de sair clicando em comprar, é legal ver se tem conexão ou escala e quanto tempo elas levam. Porque acontece exatamente o que falei ali em cima: você pode pagar menos, mas já chega no destino de porre e muitas vezes cansado. Eu prefiro procurar sem parar, quase obsessivamente por passagens antes de ir viajar (o que não falei até agora que não pareceu um pouco obsessivo, né? hahaha). Os voos costumam mudar com frequencia, então é bacana anotar em algum lugar os voos interessantes. Eu já pensei em comprar passagem mais barata com uma conexão um pouco mais longa, porque né, economizar é sempre legal, mas ficando sempre de olho nunca precisei comprar tal passagem, porque vira e mexe aparece passagens boas por preços bacanas. O legal então é começar a procurar pela passagem pelo menos uns 3 meses antes da viagem, pra ter uma folga maior pra procurar uma passagem melhor e não ter que sofrer com passagens caras como as passagens ficam quando a data do voo se aproxima.

Sobre as cias aéreas não dá pra inovar muito no discurso. Já cruzei o Atlântico de Air France voando de São Paulo pra Lisboa, com conexão em Paris. O voo daqui para Paris foi super tranquilo, apesar de longo, e eu digo isso como alguém que nunca tinha andado de avião e até então morria de medo! A comida é boa, os comissários eram bem atenciosos e tinha bastante opção de entretenimento a bordo. Ano passado fui de Lufthansa de São Paulo para Berlim, com conexão em Munique e me apaixonei! O avião é bem menor que o da Air France, o atendimento impecável, a comida deliciosa e mil opções de filmes e música bem atualizadas. Tinha os dois cds da Adele bombando, por exemplo.

Quanto à locomoção dentro do continente, os europeus – e nós, os turistas – tem várias opções. Se você quiser manter suas raízes brasileiras por lá, dá pra encontrar centenas de rotas de e para diversos países feitas por onibus e a Eurolines não vai te deixar na mão. Eu nunca andei de Eurolines, mas já fucei o site e dá pra encontrar bastante coisa legal, e conheço também algumas pessoas que usaram e elogiam.

Existe também uma opção bem diferente da que estamos acostumados e garanto: é uma delícia! Viajar de trem é algo que só experimentando dá pra ter noção. Posso estar romanceando demais, mas há algo romântico mesmo em viajar de trem. As amplas janelas, as mesinhas, a paisagem. Tudo vale a pena. Os preços não são tão em conta quanto o onibus, isso é verdade, mas a viagem compensa. Cada país tem sua operadora dos trens, mas a Eurail te oferece uma timetable bem completa de praticamente todos os destinos imagináveis. Nem sempre os preços das passagens são amigáveis, mas eles oferecem também “passes” que te permitem viajar x vezes em um determinado período de tempo, não importando quantos trens você pegou, mas sim a viagem feita. Eu usei o passe que me permitia viajar acho que 10 vezes num período de 3 meses e super recomendo. Os trens são rápidos, eficientes e apesar de uma viagem de trem demorar mais do que uma de avião, por exemplo, as estações normalmente são centrais, ou no mínimo, melhor localizadas que os aeroportos.

Quando viajar de onibus e de trem pode significar perder horas importantes existe sempre a opção de viajar de avião e é agora que a coisa fica boa: existem dezenas (juro) de empresas aéreas que cobram baratinho de um destino a outro. São as chamadas empresas low cost ou low fare. O nome do segmento delas não importa muito, o que é bom ter sempre em mente são os nomes das empresas. A easyjet provavelmente te levará de qualquer lugar para qualquer lugar por um preço bem em conta e o serviço, eu garanto, é bem parecido com o da Gol aqui no Brasil. Ela não é a única e nem sempre é a mais barata, mas é uma das que possuem o maior número de destinos. A wizzair, a ryanair, a transavia e a vueling são só algumas das outras empresas que te transportam de maneira rápida entre cidades do continente europeu, mas mantenha em mente que os preços baixos implicam na provável ausência do lanchinho à bordo, em assentos menores e também em restrições de bagagem. E a easyjet não escapa disso.

Dalí e Van Gogh curtindo o voo.