Posts atrasados: planejamento da viagem de fim de ano.

Aproveitando que atualizei a página de Viajando Barato aqui no blog, com dicas de sites para encontrar e comprar passagens (de ônibus, trem e avião) e reservar hostel, vou começar os trabalhos finalmente sobre a viagem de fim de ano.

Antes de tudo o planejamento!

A ideia era simples: eu teria duas semanas para viajar no final do ano. Seria de um sábado, dia 21 de dezembro até um domingo, dia 05 de janeiro. Na verdade eu estava livre para zarpar à partir das 19:00 horas da sexta, dia 20, mas aí já seria desespero demais hahaha, então acabei estabelecendo essas datas mesmo. O que eu queria, claro, era aproveitar as férias ao máximo e depois de ter estabelecido o tempo de viagem, veio a grande questão: o destino.

Eu já tinha tido a oportunidade em outras visitas à Europa de conhecer capitais e outros destinos turísticos de Portugal, Espanha, França, Alemanha, Áustria e Itália. Também fui pra Londres, Glasgow e Edimburgo nas férias de outono, em outubro de 2013… Quando chegou a hora de escolher o destino das férias de fim de ano, eu decidi que queria passar um natal gelado. Muitas meninas aproveitam para ir para destinos com temperaturas mais amenas, mas considerando que eu sou brasileira e todo natal aqui é quente e ensolarado, aquela era uma ótima oportunidade para passar um natal com cara de natal… ou sei lá, um natal que justifica um Papai Noel com roupa de inverno.

Comecei a pesquisar preços e locomoção para a Escandinávia, meu destino de desejo maior até hoje, porque assim que comecei houve duas coisas que me desencorajaram a perseguir esse destino: os preços estavam completamente fora da minha realidade (eu teria que fazer um aperto forte e um malabarismo financeiro bem danado) e conversando com pessoas que entendem de frio, ir para um lugar assim quando está tão frio, numa época onde todos ficam em casa e celebram as festas de fim de ano em família, eu não veria nem faria muito. O clima melancólico tinha um forte potencial. Então a ideia de passar por Copenhague, Bergen, Oslo, Estocolmo e Helsinki não foi pra frente.

Depois de desistir da Escandinávia, virei-me para outro canto que já tinha passado perto, mas não tinha explorado propriamente: Europa Oriental. Quer dizer, eu acho que no final das contas foi uma Europa semi-Oriental a que visitei, mas mesmo assim. Conversando com algumas meninas e explorando bastante o mapa do continente escolhi que passaria por Praga, Budapeste, Viena e Munique. Como teria tempo resolvi incluir Colônia também na lista.

Vale lembrar que quando fiz esse planejamento eu ainda não sabia que voltaria pro Brasil, talvez se soubesse teria incluído um destino diferente de Colônia, ou até mesmo teria dado uma passadinha em Berlim pra ver a Raquel.

Decidido os destinos, comecei a pesquisar preços e preços e preços. Juro que fiquei mais de uma semana olhando e comparando todas as opções de meio de transporte que eu tinha. Quando eu finalmente tinha estabelecido tudo e fui comprar. Os preços tinham subido muito e foi aí que eu resolvi ver se caso eu invertesse a ordem das cidades, eu conseguiria um preço melhor. E sim! Da primeira vez eu iria primeiro para Praga num trem noturno saindo de Utrecht. De lá iria de trem para Budapeste, que de trem seguiria para Viena, seguindo novamente por trilhos até Munique, de onde um trem me levaria pra Colônia. No meu último destino, embarcaria num trem que me levaria novamente pra Utrecht. Todo o trajeto seria de trem e fácil, porém com a subida de valores inverti tudo e mudei alguns trens por ônibus.

A ordem passou a ser: Baarn > Colônia (trem); Colônia > Munique (ônibus); Munique > Viena (trem); Viena > Budapeste (trem); Budapeste > Praga (ônibus); e por fim, Praga > Baarn (trem)

Parte 1: De Baarn para Colônia
No dia 21 de janeiro, peguei um trem às 08:21 em Baarn e cheguei em Colônia cerca de 5 horas depois, após trocar de trem em Utrecht, Eindhoven, Venlo (na Holanda) e Mönchengladbach na Alemanha. Valeu a pena? Eu gosto de acreditar que sim. O trem direto custava mais de 40 euros, eu peguei 5 trens e paguei menos de 30. Além disso, toda essa troca de trens foi bastante aventurosa hahaha.

Fiquei em Colônia por 2 noites e me hospedei no Weltempfänger Backpacker Hostel, que é bem fácil de chegar (fica na cara do metrô) e você leva 10 minutos caminhando até o centro.

Colônia - Köln - Cologne

Colônia – Köln – Cologne

Parte 2: De Colônia para Munique
No dia 23 de dezembro, lá estava eu às 7:00 da manhã no ponto de saída do ônibus para segui viagem primeiro até Frankfurt e depois até Munique. O ônibus sairia de Colônia às 7:45 e eu chegaria em Munique às 19:00. Seriam cerca de 10 horas de ônibus. Valeu a pena? Bom, eu paguei cerca de 40 euros na passagem. Comparado ao preço do avião e do trem, foi um valor bem inferior e apesar de eu não ter conseguido um ônibus para viajar durante a madrugada, foi bom porque eu estava com uma febre horrorosa e eu pude ficar o dia inteiro quietinha, quentinha, cochilandinho.

Em Munique fiquei hospedada num hostel super próximo do centro e da estação central da cidade, tipo ficava na rua em frente a estação: sucesso. Sem falar que o Wombats City Hostel Munich tem uma estrutura bem grande e com ótimas áreas de convivência, café da manhã gostoso e quartos muito bons!

Munique - München - Munich

Munique – München – Munich

Parte 3: De Munique para Viena
A viagem de trem entre Munique e Viena não é longa, demora cerca de 4 horas. Isso quer dizer que um trem noturno não compensa e considerando que o dia clareia às 9 da manhã praticamente e às 4 da tarde já está quase escuro de novo, o legal seria viajar enquanto havia luz no dia. Saí de Munique às 13:30 do dia 26 de dezembro e cheguei em Viena no fim da tarde. Valeu à pena? Sim! O preço foi bom (60 euros) num trajeto que o ônibus demoraria muito mais e não estava tão mais barato. Sem falar que o trem que faz esse percurso direto (apenas uma parada de 6 minutos em Salzburg) é mega confortável, compensa bastante. Você viaja tranquilo.

Em Viena fiquei no Hostel Ruthensteiner, um hostel legal, bem próximo do metrô e da estação central da cidade, além de ser a só uns 20 minutos de caminhada do Palácio de Schönbrunn. O preço estava ótimo, mas talvez por um pouquinho mais eu tivesse ficado num melhor.

Viena - Wien - Vienna

Viena – Wien – Vienna

Parte 4: De Viena para Budapeste
De trem, Viena e Budapeste ficam à um pulo de distância. Não demora nem três horas e foi isso o que eu fiz. No dia 29 de dezembro peguei um trem às 19:00 na Hauptbahnhof de Viena e antes das 22 já estava lá em Budapeste! Se valeu à pena? Nossa, demais! O preço foi ótimo: 29 euros. E a estação de trem de Budapeste é muito mais acessível que o terminal de ônibus. Eu poderia ter ido andando (daria uns 20 minutos) da estação central de Budapeste para o Hostel, mas pelo horário escolhi pegar o metrô e rapidinho cheguei lá, mesmo tendo me perdido um pouco depois de sair da metrô hehehe.

O hostel Casa de la Musica era bem legal, conheci pessoas ótimas, a segurança boa e os banheiros eram bem legais. Mas minha amiga pegou bedbugs (e eu não, apesar de estarmos na mesma beliche).

Budapeste - Budapest - Budapest

Budapeste – Budapest – Budapest

Parte 5: De Budapeste para Praga
Esse foi o pior trecho da viagem. Fui de ônibus e as estradas são bem esburacadas e eu passei a viagem inteira tremendo e balançando hahaha. Sem falar de que no meio do caminho o ônibus parou, o motorista falou algo, todo mundo desceu e trocou de ônibus, até aí tudo bem, o problema é que tudo isso aconteceu num idioma que eu não falo nem reconheço (e eu até agora não sei se foi em tcheco ou húngaro, ou se foi até mesmo em eslovaco hahaha – até porque eu não sei em que país eu tava nessa hora). Segui o povo e antes de entrar no outro ônibus eu mostrei a passagem pro motorista que me indicou positivamente para entrar no ônibus. Sei lá, só sei que cheguei em Praga hahaha. Valeu à pena? Eu acho que sim. O preço na passagem está em HUF, florins húngaros, e eu acho que foi barato sim, foram 6500 HUF para uma viagem de 7 horas. Eu me lembro que minha amiga que foi comigo para Praga estava sem passagem e fomos juntas até a estação de trem comprar uma passagem pra ela. Ela pagou acho que 40 euros e eu fiquei morrendo de inveja pra ir com ela de trem. Mas né? Não ia desperdiçar uma passagem de ônibus comprada com antecedência. (olhei no google, hoje 6500 Hungarian forints = 20.6130549 Euros, que em reais dá 62 reais)… é valeu à pena sim.

Em Praga eu fiquei no Fusion Prague Hotel (eles são chiques e não se chamam de hostel). A localização é uma maravilha: são 2 quarteirões da estação de trem central da cidade, são uns 7 quarteirões da Autobusové nádraží Praha Florenc, o terminal de ônibus internacionais e à caminhadas tranquilas de tudo o que você quer ver em Praga. Sério! Sem falar que os quartos são ótimos, enormes, camas gostosas, banheiro com um chuveiro delicioso e tudo super novo. Recomendo muito forte.

Praga - Praha - Prague

Praga – Praha – Prague

Parte 6: De Praga para Amsterdam
Enquanto eu viajava, minha volta para o Brasil tinha sido acertada para o dia 06 de janeiro, o dia imediatamente após minha volta à Holanda, e como eu já tinha deixado tudo praticamente pronto lá em Baarn e meu voo sairia as 8:00 da manhã de Schiphol, meus hosts acharam melhor reservar um hotel para mim já no aeroporto para facilitar a minha movimentação final. Por isso acabei não voltando exatamente para Baarn, mas sim para Amsterdam.

Minha passagem era entre Praga e Utrecht, apesar de o trem seguir sim para a Amsterdam Centraal. No final do meu último dia de viagem propriamente viajando, peguei minha malinha e segui a pé do hostel para a estação central de Praga. Lá, às 18:30 do dia 4 de janeiro, peguei o trem noturno que me levaria de volta para a Holanda. Antes da meia noite já estávamos parados na Berlim Ostbahnhof e me deu um aperto enorme no coração estar tão próxima à Raquel e não poder vê-la. Depois de uma parada de cerca de meia hora na capital Alemã, o trem seguiu viagem e após inúmeras paradas que mal percebi pois dormia, o trem chegou na Holanda por volta das 7:00 da manhã do dia 05 de janeiro. Depois de uma parada não muito gostosa para verificação de passaporte/documentação seguimos viagem e finalmente o trem parou em Utrecht. Como já havia tido uma verificação de passagens junto com os passaportes e o destino final mesmo era Amsterdam, eu até poderia ter continuado no trem porque dificilmente alguém viria verificar novamente as passagens, mas como sou chatinha/medrosa para essas coisas, escolhi descer do trem e pegar um intercity mesmo até Amsterdam.

 

Amsterdão - Amsterdam - Amsterdam

Amsterdão – Amsterdam – Amsterdam

Todas as fotos do post foram tiradas por/pertencentes a mim.

Já voltei de Buenos Aires

Daí que eu fui, passei 6 dias em Buenos Aires e voltei. O resultado? Gostei! Achei a cidade um charme, uma belezinha, um lugarzinho muito legal! E a vontade que ficou depois desse tempo foi de: quero voltar.

IMG_2778

Escolhemos o hostel Che Lagarto à partir de indicações de amigos e colegas lá no facebook. A localização parecia boa (e era mesmo), as instalações justas (e eram mesmo) e o preço tava de bom tamanho também.  Sobre o hostel o que eu posso dizer é que o recomendo e me hospedaria lá novamente, sim senhor. O hostel fica em San Telmo, a 2 quarteirões da Av. 9 de Julio, 1 quarteirão da Av. Belgrano e nem 10 minutos a pé da Casa Rosada, Plaza de Mayo, Calle Florida… e nem 15 do Puerto Madero ou do Obelisco. Tem ônibus pra todos os cantos e 2 linhas de Subte (metrô) na porta. Uma caminhada saindo do hostel até o começo da Recoleta dava uns 40 minutos no máximo para uma pessoa que caminha feito gente normal e tem pernas do tamanho dentro da média brasileira.

O Subte é uma loucura… mal sinalizado e sujo tem trens de todas as qualidades e estações também, mas a maioria está mal. O preço compensa e o fato de ser mais rápido do que andar a pé e de ônibus pode ser atrativo, mas eu só fiz 2 viagens naquelas linhas e vi uma menina fazendo xixi no ralo de uma plataforma de embarque. Entre ver isso e ver a arquitetura da cidade, prefiro a segunda opção. Se você tem tempo na cidade, vá a pé ou pegue um colectivo, mas se lembre que é preciso ter a tarjeta (15 pesos e você pode comprar em vários lugares) ou ter moedas para andar no ônibus… e moedas é algo que está em falta na capital da Argentina.

O transito de lá é outra loucura. A Av. 9 de Julio está em obras, estão construindo o MetroBus, um corredor de ônibus que promete deixar o transporte coletivo mais rápido e atrativo na cidade, além de diminuir o transito. Mas o transito que vimos na 9 de Julio não se compara ao que vimos em outras vias menores. Nas calles o que víamos eram colectivos, ciclistas, pedestres, carros de passeio, taxis e caminhões disputando o mesmo espaço em ruas de mão única, desviando de caçambas de coleta seletiva e carros estacionados. Eu não entendi muito bem como funciona a restrição no tráfego de caminhões por lá, mas parece que não tem. Assim como parece que é possível estacionar onde quiser. Se pode ou não eu não sei, mas que todo mundo faz livremente, faz.

IMG_3120

A cidade é linda. Olhar pra cima e para os prédios é necessário e indispensável. É de invejar, ainda mais morando em São Paulo, o poder de preservação daquela cidade. De todos os lugares na Europa que eu visitei e de todas as vezes eu pensei “poxa, o centro de São Paulo podia estar bonitinho assim, bem cuidado assim…”, ficou confirmado esse desejo. São Paulo poderia ter preservado pelo menos o centro histórico com mais carinho. Enquanto alguns dos nossos prédios do centro estão lindinhos, outros estão tão mal cuidados… Em Buenos Aires vi um equilíbrio maior entre o que está bem cuidado e o que não está… digo, o que não está bem cuidado não está tão abandonado como vemos por aqui. E lá vi vários lambe-lambes e cartazes, faixas atacando e repudiando a especulação imobiliária.

Não tirei tantas fotos como gostaria, não vou negar que até mesmo por não se ver pessoas tirando fotos à doidado ou carregando suas câmeras tranquilamente, eu acabei deixando a minha guardada na maior parte do tempo… só a sacando quando estava em pontos muito turísticos ou fechados.

Depois eu volto pra contar onde fui e comentar sobre o frio e minha experiência com a comida de lá.

Destino de desejo: Kiev

Kiev, a capital da Ucrânia pode vir à sua mente rapidamente se você for ligadinho em geografia ou futebol. Mas é fato que quando a gente pensa nela, a gente não sabe muito o que pensar. Então fica aquele borrão. Kiev, Ucrânia e nenhuma referência visual.

Pois saiba você que a maior cidade desse país da Europa oriental foi também uma das cidades mais importantes da antiga URSS e até hoje cumpre um papel importante naquela região.

E a gente com isso? Ela possui cerca de 3 milhões de habitantes, uma ampla infraestrutura de transportes públicos e diversas faculdades. Isso quer dizer que a cidade é grande, você se locomove facilmente e pode contar com um amplo número de gente jovem nas ruas, bares e baladas.

E tem museu de guerra, catedrais, monastério com cavernas, parques e ruas lindas para caminhar sem medo de não ver algo interessante. Além disso, ela é banhada pelo rio Dniepre, o que garante passeios diferentes e igualmente bacanas

Em Kiev você também encontra acomodação a partir de 6,00 EUROS em lugar central! Sério, 6 euros deixa qualquer um feliz. E se o hostel for ruim, você não consegue nem reclamar, de tão barato que foi! hahaha.

Dá pra descobrir mais da cidade aqui. E dá pra ver um pouco da cidade aqui:

Estando lá

Retomando e fechando de vez a parte dos preparativos, já tá acabando gente! Logo começa a parte boa: histórias! O que me dá um medinho, já que que pensei só nessa primeira parte e agora preciso repensar as viagens em si e pinçar as boas histórias.

Mas agora todo mundo já sabe como faço pra ir, para me guiar, organizar e para chegar até a tal da Europa, certo? Tá faltando uma parte bem importante, certo? Onde ficar? Hostel ou hotel? Couch surfing? Onde comer? Na rua, menu turístico, restaurantes que atendem mais os “locais” ou ir ao supermercado?

vista da área de convivência do hostel em Barcelona

Primeiro que eu acho que é agora que a gente tem que por a mão de verdade no bolso e pensar: qual é o meu orçamento? E isso define praticamente tudo o que diz respeito à viagem. Sim, esse passo pode ser tomado a qualquer momento durante o planejamento e não dá pra fugir, se você não souber quanto pode gastar, você não sai do lugar. Bem óbvio, né?

Guias podem recomendar que você faça uma média de 30 euros por dia. E isso é bem possível. Em países do leste europeu é possível encontrar hostels com diária em dormitórios por 6 euros. Isso mesmo, você não leu errado. No entanto, em lugares da europa ocidental, que atraem mais turistas, como Paris, é bem difícil você conseguir gastar apenas 30 euros. E digo isso porque é verdade, se você optar por pagar estadia, encontrar algum lugar por 15 euros/noite é exceção, não regra. O mais provável é que você encontre lugares por volta de 23 euros/noite. Faça as contas e veja se dá pra gastar 7 euros em transporte, alimentação e passeio. Não dá, né?

Pois bem, se você tem orçamento para ir, vá, faça as malas e pé na estrada, senão, veja se não é melhor fazer algum outro tipo de viagem ao invés de se aventurar pela Europa ocidental. Passar aperto até vai, mas passar fome ou coisa do gênero, nunca é legal.

Quer saber onde procurar hostels e comparar preços? O Hostel World é o lugar certo. Nele você encontra hostels (e agora hoteis e b&b também) em quase todos os lugares do mundo e além dos preços dá pra ver a localização direitinho, a descrição dos serviços e os comentários de quem já foi e o que achou. Além desses comentários, sempre dá pra dar uma olhada no TripAdvisor, pra ter uma “segunda” opnião. É aquela coisa: double check não custa nada. Se você viu algum lugar no guia e quer saber mais, esses são os sites que você deve olhar. O Lonely Planet oferece serviço parecido, então pronto, adiciona esse site também na lista na hora de procurar!

Agora, uma coisa que recomendo é sempre ir no site do próprio hostel na hora de fazer a reserva. Não é difícil encontrar preços diferentes de um site para o outro, e normalmente é no hostel world onde está mais caro. Algumas vezes também há diferença na disponibilidade. Eu aconselho de verdade que você faça a reserva no site do hostel e imprima toda e qualquer conversa/documentação que você tiver com o lugar, para o caso de dar alguma coisa errada. Então siga essa diquinha e economize um dinheirinho. 🙂

"couchsurfing" na casa dos amigos: bem melhor!

Hostels são uma boa maneira de fazer contatos e novas amizades durante a viagem. Mas se você quiser dar uma passo além na descoberta de novos amigos, o Couch Surfing taí pra isso. Através dele você tem a oportunidade de se hospedar na casa de um morador local e “surfar” no sofá deles. Não se paga (e não se pode cobrar) a estadia, mas a etiqueta indica que é bacana fazer umas comprinhas para ajudar na geladeira, além de é claro, você precisa estar disposto a ser um host quando estiver em sua cidade. Isso indica que você pode hospedar alguém ou se não puder, colaborar sendo uma espécie de guia turístico para os visitantes.

E não precisa ter medo, viu? O site se preocupa bastante com a segurança dos usuários e por mais que o cadastro seja aberto para todos, eles têm um sistema de “testemunho” onde as pessoas deixam depoimentos sobre aqueles que conheceram e a pessoa que recebe não tem a opção de recusá-lo ou apagá-lo. Se alguém não gostou de você e não tem medo de dizer, já era. E na hora de procurar por um sofá, é só atentar aos depoimentos também, além de ver se o perfil da pessoa combina com o seu. E a pessoa que recebe a proposta analisa o seu perfil e os seus testemunhos para saber se quer ou não te receber em casa. Enfim, quanto mais você participa, e participa positivamente, melhor pra você!

Eu parto do princípio de que essa viagem que você tá planejando é igual as minhas: orçamento pequeno, então hotel segue a mesma lógica que os hostels, só vale a pena se for bom, central e barato. Normalmente não é assim que funciona, então vamos nos concentrar nos hostels. E se você tiver algum amigo que tá morando em alguma cidade para onde está indo, não tenha vergonha, pergunta se pode se acomodar em algum canto da casa dele! Acho que todo mundo entende que não é um rolê barato e economizar é sempre bem vindo. E nessas situações seremos sempre gratos!

Agora, comida:

comida caseira em Berlim: delícia!

Comida é um negócio mais fácil. Você só precisa prestar atenção. Se tiver a oportunidade de comer em casa: coma. O problema é que ficando em hostel nem sempre é possível fazer uma refeição elaborada, certo? Sim, isso é um problema, mas dá pra driblar as adversidades, gente. Vem comigo.

O melhor esquema para combater a fome que encontrei é o seguinte: café da manhã reforçado. Fácil, né? Algumas vezes sinto que não estou falando nenhuma novidade e sei que é verdade. Mas acho bacana deixar tudo em primeiro plano na nossa cabeça na hora de viajar. Tomar um café reforçado às 9:00 da manhã pode garantir que você só sentirá fome novamente lá pelas 15:00. Foram quase 5 horas sem parar pra pensar em comida (mas pensando sempre em água, heim gente? Tem que carregar garrafinha e garantir a hidratação). Esse almoço no meio da tarde é a chave para o sucesso. Você pode escolher comer um croquete de máquina no centro de Amsterdã ou pode procurar algo com mais sustância. Lembre-se você tem um orçamento a seguir, e você se lembra do planejamento? É legal contar com isso na hora de se organizar, porque você pode reservar um tempo para procurar um lugar que caiba no seu bolso, mas que não vai te deixar faminto daqui 2 horas e meia e completamente desfocado no restante dos passeios. É legal comer algo que vai te deixar de barriga cheia (sem pesar) até pelo menos umas 20:00.

paella e sangria no maremagnum em Barcelona

O cronograma diz que você vai ter comido de 5 em 5 horas. Começando às 9 e terminando as 20:00. Ainda dá tempo de bater um pouco mais de perna pela cidade, se for verão. Se for inverno você pode comer e correr pro quentinho do hostel. Isso funciona muito bem pra mim e é como eu costumo fazer.

Para procurar restaurantes legais e na região onde você estará, caso você já tenha feito aquela programação diária, dá pra acessar lá no TripAdvisor ou no Lonely Planet e ver os reviews que tem lá também. Não que por isso você seja obrigado a ir neles, mas é bacana ter uma opinião prévia e evitar um lugar que pode ser o paraíso do piriri.

Já estou acabando, mas antes de falar da opção mais barata, falarei da mais cara! Não há sistema digestório que aguente uma rotina de croquetes de máquina, mcdonalds e fast-foods similares. É barato, é sim e eu sou super a favor de frequentar lugares como estes, mas é bom se dar algum tipo de luxo também. Por isso eu sempre planejo uma, que seja, refeição mais rica. Não estou falando, claro, de gastar 50 euros num jantar. Tou falando de pequenos luxos, não de pagar de babaca. Se você economiza no avião e vai de Vueling porque raios gastaria tanto dinheiro numa única refeição? Estou falando daquelas escapadinhas para um menu turístico mais caprichado, que vai te cobrar 20 euros e você vai ficar feliz e afirmar depois que super valeu a pena. E depois de tanta porcaria, acreditem, vale mesmo! E daí é o mesmo esquema, olha bastante as cartas na porta dos restaurantes, lê legal as lousas com o cardápio do dia e vai fundo! Saboreie os três pratos com gosto e se tiver algum imprevisto intestinal depois, não me responsabilizo, hahaha.

Agora, o supermercado costuma ser a opção mais barata mesmo, não há como fugir: queijos, pães, defumados, refrigerante, vinho, biscoito, cerveja, chocolate, água, sanduíches prontos… se sua bolsa for grande, agende piqueniques descompromissados na hora das refeições. Sente ao ar livre e se esbalde nas comprinhas, vale bastante a pena e você dificilmente sairá do orçamento!

comida no parque: sucesso a preço de banana

Pronto gente! Terminou o planejamento! Agora é viajar, é ser feliz, é aproveitar até cansar e daí continuar aproveitando!