Programação para a Manga!

Eu concordo com vocês que fica complicado acompanhar qualquer coisa que não tenha uma frequência muito boa. Por isso não culpo ninguém que não consegue acompanhar muito bem esse blog.

Depois de muita reflexão, ponderação e outros sinônimos e similares, resolvi chacoalhar a poeira da minha mente e voltar a escrever/postar com mais cuidado e carinho no meu cantinho obscuro da inter-nets. Sim, eu estou falando desse blog lindo aqui, o Aceite esta Manga.

Me programei, criei até uma agenda no google calendar pra poder me organizar. Agora os dias da semana terão posts fixos, em teoria, mas eu vou tentar ao máximo me ater a eles.

Ai, que legal, né? Mas que conteúdo tão incrível é esse que vou compartilhar com vocês? Então… hahaha.

Aos domingos: tô pensando em compartilhar com vocês playlists legais com músicas bacanas para embalar a próxima semana. Só não sei ainda a plataforma que quero usar, pq sou preguiçosa. Alguém tem uma sugestão?
Segundas: vídeos sobre o processo de au pair. Sim, mas nas segundas vão ser vídeos mais sobre o processo mesmo, tipo app, agência, skype, visto e afins.
Terças: nada, também sou filha de Deus.
Quartas: um post pessoal, pode ser escrito, pode ser um vlog, pode ser o que eu quiser, ok?
Quintas: sério, me deixem descansar.
Sextas: outro vídeo sobre au pair. Eba! Só que dessa vez coisas mais práticas, como o inglês, o pocket money, custo de vida, coisas legais.
Sábados: sábado é dia de eu exercitar minha vision board com vocês, compartilhando lugares do mundo que eu adoraria visitar.

Tá bom? Acho que está. Pode melhorar? Com certeza. O importante é começar de algum lugar.

Curte o blog lá no facebook (tem a caixinha pra curtir aqui do lado, aproveita a praticidade) e sempre que um post novo vai pro ar, você recebe lá.

Ou segue o blog por email, é só colocar seu email aqui do lado também, aproveita essa praticidade também. Se você tiver conta no wordpress, segue o blog pelo botão de seguir deles.

Tem como seguir no google+ também. E se você quiser ficar sabendo dos vídeos, sem precisar entrar no blog, se inscreve lá no canal do youtube.

Olha só, várias opções.
Então é isso, tá? Até amanhã!

agora eu sou uma padaria

Agora eu sou uma padaria :)

agora eu sou uma padaria

Agora eu sou uma padaria!

Oba!

Desde que me mudei pra Brasília o forno tem sido meu grande aliado.

Bolos gordinhos, bolos de frutas, pães de todos os jeitos e agora panetones… Estou também começando a experimentar os bolos diets da série Dukan, se ficarem gostosos conto pra vocês, mas isso só em janeiro.

O fim de ano chegou e a corrida pelos panetones é maluca, mas não vejo nada no mercado que me estimule a comprar. Eu sei que se eu fizer em casa vai ficar tão gostoso quanto e muito melhor recheado. A melhor parte vem de que eu sei exatamente tudo o que tá no panetone que eu fiz em casa, sei que não tem conservantes malucos, que o sabor é do que eu coloquei lá, não de essências e afins. A cor dele também é a cor que fica. Se ficou lindão do jeito que ficou, é porque eu acertei na mão hahaha.

Mas também não é só uma questão do que eu acho. Eu gosto bastante de receber visitas e assar uma sobremesa, um bolinho pra todo mundo ficar feliz. E o feedback positivo me colocou nesse caminho.

As vendas começam com os panetones, mas logo tem novidade para todo mundo encomendar, pão de cebola, pães recheados, pães integrais, massa de pizza congelada… e os tais dos bolos.

Para acompanhar os doces, brigadeiro de colher substituindo a cobertura e geleias de frutas.

Tudo feito na minha cozinha, tudo natural. Tô feliz!

E encomendem seus panetones, prometo e há quem comprove, eles são uma delícia!

header novo

(pode clicar em qualquer uma das imagens que elas te levam pra padaria do facebook 😉 )

O Desafio Musical De 250 Dias.

Lá no facebook sempre rola uns joguinhos que sei lá, não sei direito para o que servem e provavelmente não sirvam pra nada mesmo, então nem me preocupo.

Há algum tempo eu vi que estava rolando um chamado “O desafio musical de 30 dias” e eu achei bacana, mas fiquei com preguiça. Faltou emoção, lol. Mas há pouco mais de 1 semana vi um joguinho de músicas realmente desafiado: o desafio musical de 250 dias. Basicamente, a cada dia você deve compartilhar 1 música seguindo a ordem que o desafio te dá e você não necessariamente é obrigado a postar todo santo dia. Então quando dá muito trabalho chegar numa música, você pode levar o tempo que precisar 🙂

Eu tou fazendo o desafio lá na página do blog no facebook e hoje postei a música do sexto dia:

6 – Uma música da sua banda preferida

5 – A música com um dos seus solos preferidos

4 – Uma música que você saiba a letra toda

3 – Uma música que te faça dançar

2 – Uma música que você ache engraçada

1 – Uma música que te lembre a sua infância

Se quiserem acompanhar é só curtir a página do blog aqui do lado (se ainda não curtiu) e pronto! Ainda faltam 244 dias ou 244 música e muita coisa pode acontecer, haha!

2 ponto 0

Na rabeira das mídias sociais, o coloquei o blog no facebook.

Nada demais, a página do aceite esta manga no cara-livro servirá mais como uma ponte, levando posts fresquinhos pra cuca daqueles que gostam do blog (ou de mim, ou não), mas nem sempre se lembram de acessar. Totalmente compreensível, visto que o blog foi atualizado apenas 5 vezes no ano passado (novo recorde?). Nem eu me lembrava de checar o blog de vez em quando (e também não é preciso dizer que me esqueci de atualizá-lo uma dezena de vezes).

A desatualização é água passada, a novidade agora é que você, leitor (e você, pessoa perdida que não sabe como veio parar aqui), poderá aceitar mangas passivamente diretamente no facebook apenas curtindo aqui ao lado.

Dedões para cima e web 2.0. Não acredito que a página super bombará com a participação de todo o público do site (alô, alguém aí?), mas taí a ferramenta.

Um beijo.

 

5 albums that remind you of high school

Resolvi fazer uma listinha dos 5 albuns que me fazem lembrar do colegial, ali no facebook. Eis que na hora de publicar o resultado eu comecei a divagar… Sem pensar direito acabei colocando os seguintes albuns na seguinte ordem:

Straight Ahead – Pennywise

Enema of the State – Blink 182

Sonho Médio – Dead Fish

Taito Nâo Engole Fichas – Carbona

A Continuade da Máquina – Sugar Kane.

E isso foi o que eu disse:

Sou tão imbecil que sou incapaz de me lembrar do que mais ouvia quando tinha 15 anos, mas tenho certeza que – como eu ouvi esses discos durante a minha adolescencia – alguns desses discos podem até estar corretos. Acontece que nunca fui de ligar o que eu ouvia diretamente ao que acontecia na escola, já que a escola sempre foi disconexa do restante da minha vida… não em bg, porque eu adorava a escola, mas sempre completamente separada daquilo que eu trouxe pra “vida adulta”.

Continuando… Resolvi ligar aqui o Continuidade enquanto continuo minhas divagações. É difícil pra mim, explicar o que foram aqueles anos que passei no colegial. Descontando os erros e acertos, foram 4 anos que me parecem tão distantes que quase me sinto à vontade para me referir à eles na terceira pessoa. O que melhor me lembro é que a partir de 2003 eu não via a hora que chegasse o fim de semana para que eu pudesse sair com meus amigos – antes disso, não me lembro de nada. E não é como se eu não tivesse amigos na escola, eu fiz bons amigos naquele periodo, amigos que gostaria de tê-los mantido mais próximos.

Refletindo sobre tudo isso, foi preciso que eu resgatasse nos meus finais de semana o que eu ouvia nos tempos de colegial. Me lembrei que essa lista está incrívelmente correta. A primeira parte do meu ensino médio foi recheada com shows no hangar 110 e bandas nacionais. Fórum do Blink 182 e o gosto pelas músicas do Pennywise, enquanto os outros ouviam New Found Glory. Blind Pigs, Mukeka di Rato e mais uma porrada (e alguns tapas na cara) de outras bandas. Shows, shows, shows…

A segunda parte é vertiginosamente diferente disso tudo. Os shows das bandas de amigos no Vila Rock foram substituídos por RG’s falsos e madrugadas no Atari Club – quem lembra? Eu confesso que não lembro de todas. Strokes, Le Tigre… e eu já não me lembro. Dançar até morrer até mesmo na pista do Outs. Shows do Forgotten Boys ao lado da Débora Falabella e eu já não me lembro.

Blind pigs, Blink 182, Le Tigre, Dead Fish, Sugar Kane, quase não os ouço mais e não sei ao menos dizer o porque. Algumas coisas ficam marcadas no tempo e nós inconscientemente acabamos deixando que tudo vire apenas memórias. Talvez uma falsa ilusão de que “crescemos”, a pretensa idéia de que “evoluímos”. De tudo o que vivi nos tempos de colégio, o que trouxe comigo foram os amigos que não foram feitos no pátio da escola ou na sala de aula; acabei trazendo aquelas amizades que construí nas filas de shows, nas rodinhas suadas, naqueles momentos em que levantamos as mãos e as vozes pra cantar um refrão grudento, seja na pista de dança ou na frente de um palco.

O Continuidade ainda tá rolando aqui, com um gosto extremamente saudosista.