TAG: Au pair Responde

Resolvi entrar na dança e meio que roubei uma TAG que está rolando entre as au pairs que estão nos Estados Unidos.

A TAG chama “Au pair Responde” e foi criada pela Michelle Alves, au pair nos EUA e dona do blog Cabide Colorido. São 10 perguntas que qualquer au pair pode responder sem problemas nenhum, é só adaptar o país. E foi isso o que eu fiz!

As perguntas estão logo após o vídeo e se você quiser saber minhas respostas, é só dar o play!

PERGUNTAS:
1) Nome, idade, e quanto tempo está ou ficou na Holanda?
2) Qual sua cidade e estado no Brasil e na Holanda?
3) Qual é a agência de au pair e quantas kids você cuida, quantos anos?
4) Qual é a coisa que mais gosta na Holanda?
5) Qual é a coisa que menos gosta na Holanda?
6) O que o intercâmbio ensinou -até agora- ?
7) Qual é o lado bom de ser au pair?
8) Qual é o lado ruim de ser au pair?
9) O que pretende fazer após o programa ?
10) Deixe sua dica pessoal pra quem quer ser au pair!

Pensou nas respostas que você daria? Que tal gravar um vídeo também? Ou então deixa aqui nos comentários, se você for tímida. Gravar TAG dá bastante vergonha hahaha.

Beijos!

Dicas de leitura: Au pairs – parte 2.

Há uns 3 meses mais ou menos eu dei algumas dicas de blogs (e vlogs) de au pairs que estão na Holanda e nos EUA. Pois bem, uma nova leva de au pairs está chegando ou chegou há um tempinho e por isso vou dar novas dicas! É legal para quem quer acompanhar as (des)aventuras em série dessa nova leva em tempo real. Acho que a troca de experiências pode ser mais valiosa assim. Vamos às dicas!

Minha primeira indicação é um blog de uma futura au pair nos EUA, a Aline. O bla bla bla au pair é um blog gostoso de ler porque os posts são curtinhos, mas frequentes, então não tem erro nem prolongação. A escrita é super bem humorada e ela explica direitinho assuntos como a burocracia do visto americano para au pairs, fala sobre a região onde irá morar lá na costa leste e também tem um espaço super menininha, com desabafos (claaaro) e receitas de deliciosidades que nos é sempre útil.

O Brasileira na França é um blog bem descritivo, mesmo! A autora, Jéssica chegou há pouco tempo na França e está relatando com detalhes o seu dia a dia. É legal ler sobre uma rotina tão parecida, mas ainda assim num lugar tão diferente do eixo que eu pelo menos estou acostumada. E desde antes do seu embarque ela já não economizava nas palavras e sempre compartilhou todas as informações que envolvem o processo pra lá. Esse blog é pra quem gosta de boas histórias.

O Surviving the Unknown é o blog da Flávia e é um dos que eu adoro ler. Ela está indo para a Holanda logo logo e eu não sei explicar direito, mas ela é tão direta, objetiva, não sei explicar mesmo! Mas gosto da maneira como ela se expressa e dos temas que aborda no blog. É um blog sóbrio, mas fluido, gostoso de ler.

Se você procura um blog doce, minha dica é o Pra Nunca Esquecer, da Raphaela. Ela acabou de chegar lá na Holanda e por enquanto está atualizando bastante. O blog é bastante feminino, não só esteticamente, mas o conteúdo também, apesar de ser bastante pessoal. Ela dá dicas legais e comenta sobre sua rotina.

A Liza usa o Tamanco Verde e Amarelo para contar alguns causos, compartilhar alguns fatos e registrar sua estadia lá no sul da Holanda. Ela já está lá há algum tempo, isso é verdade, mas no outro post eu acabei esquecendo de dar essa dica. É uma leitura tranquila e é sempre legal acompanhar as histórias de gente como a gente hahaha.

A Luanda tem um blog-diário que é um dos mais completos que já vi nessa minha vida de leitora de blogs de au pairs. Pra vocês terem uma ideia, ela fez um post que eu considero o santo graal das dicas de o que levar na mala. Eu não vou entrar em muitos detalhes sobre isso agora, é claro, mas deem uma linda. Texto lindo! Ela chegou em Den Haag (Holanda) no começo do mês e já foi au pair nos EUA também, dá pra ler tudo sobre a primeira experiência dela lá nos arquivos do blog. Uma delícia!

O IsamsterDAMN! não é simplesmente um blog, a autora, a Isa, aproveitou o gancho e o transformou num site bastante completo. Os assuntos não são diferentes dos de um blog comum, mas a navegação e o layout são bem diferentes. O nome vem do fato de ela estar chegando em Amsterdam logo logo, mas já faz algum tempo que ela vem escrevendo sobre a experiência toda. Ela também está na equipe d’O Blog das 30 Au Pairs.

O único rapaz a integrar a lista de blogs que indico é o Willian com o Agora que sou au pair na Holanda. Ele também já foi au pair nos EUA e agora mora em Maastricht, no sul do país das tulipas. O blog é bem maduro, mas também é muito divertido e a leitura é super fácil. Além disso tudo, é muito legal ler a opinião não só de alguém que já tem experiência no assunto, mas também de um homem sobre esse universo tão dominado por nós mulheres.

Pra fechar o post, indico o blog da Beth, o Bem me leve. Já faz algum tempo que ela voltou pro Brasil (tipo, alguns anos), mas ela ainda usa o blog pra contar das memórias e experiências que teve. No entanto o blog não é um caderno de memórias, todo nostálgico e romântico… é claro que esses elementos estão presentes, porque fazem parte da saudade, mas o foco principal é relembrar, reviver e dar dicas para as atuais e futuras au pairs que ainda são direcionadas ou caem de paraquedas em seu blog. Além disso os arquivos da época em que ela foi au pair ainda estão disponíveis então é possível espiar o que aconteceu no seu ano holandês.

Pronto! Bem provável que eu ainda faça diversos outros posts sobre o tema, porque gente… haja au pair! E dentre todas, sempre existem aquelas que se arriscam a escrever e conseguem construir conteúdo belo e útil para aquelas que também querem se aventurar ou que querer estar pertinho delas durantes suas aventuras.

Escolhas e consequências.


De todas as formas que imaginei meu final de 2012, nenhuma envolvia o que está acontecendo agora. É, eu sei, vocês já devem estar cansados de me ler falando isso, mas pra mim esse é o gatilho das coisas que passam pela minha cabeça no momento. Meu planejamento para 2012 era outro e foi mais ou menos no meio do ano que eu percebi que as coisas não sairiam como o planejando.

O que fazer, se desesperar? Não! Eu devo admitir que me sinto inclusive orgulhosa do pragmatismo que adotei. Não, isso não quer dizer também que não tenho sofrido bastante com a ansiedade que a incerteza causa, mas quer dizer que eu aprendi a analisar os fatos de uma maneira muito mais “fria”, não deixando que nem a ansiedade e nem o orgulho me atrapalhassem nas minhas decisões.

Quando, no começo do ano, eu imaginava como seriam meu Natal e ano novo, eu pensava em como estaria usando agasalhos, sentindo saudade da minha família e me perguntava se eles ou o Augusto poderiam me visitar nessa época. Mas agora ainda estou aqui no Brasil e ainda estou morrendo de calor.

E isso não é ruim, nem um pouco. Eu tenho certo pra mim que todos os passos que dei até aqui foram corretos. Desistir da família de Den Bosch pode ter parecido loucura para alguns, considerando que até o visto já tinha sido aprovado… mas na boa? Eu acho de verdade que não dá pra fazer nada com dúvidas. Talvez se o processo com eles não tivesse demorado tanto, eu não acabaria tendo as dúvidas que tive. Eles são uma boa família e a baby que já está com mais de 1 ano agora é uma fofura, mas depois de tanto tempo eu percebi que não ia rolar. Eu sou o tipo de pessoa que precisa de muito mais certezas, garantias e informações do que estava recebendo. E existe um limite até onde você pode cobrar uma mudança do outro lado e eles não achavam que não estavam me dando as certezas, garantias e informações que eu queria ou precisava.

Essa decisão atrasou mais ainda a minha ida? Sim. Mas eu não consigo me arrepender disso, não mesmo. Eu vejo como uma mudança de rumo tão óbvia que nem tem como me abalar.

Ficar no Brasil por esse tempo extra também foi bom. Se por um lado eu estou sem trabalhar desde o final de junho, só esperando a tal data do embarque que acabou não ocorrendo até agora, por outro lado eu estou tendo mais tempo pra mim do que nunca. Pode parecer um absurdo, mas trabalhar por 26 meses na Aiupa, por mais gostoso que era o ambiente, foi extremamente pesado pra mim. Eu perdia no mínimo 3 horas por dia no transporte público, não conseguia me alimentar direito, não conseguia manter uma rotina social e até mesmo de exercícios físicos e eu acabei perdendo o foco no que é mais importante na minha vida: eu mesma. Falando assim pode parecer um drama, mas nos últimos 5 meses eu me descobri muito mais do que descobri nos (talvez) últimos 3 anos. E eu estou falando de coisas importantes como a minha saúde. Além de descobrir as razões para algumas coisas que estavam acontecendo comigo, eu também estou tendo tempo de resolver o que precisa ser resolvido.

O embarque para o intercâmbio ainda está planejado como as soon as possible e eu estou bastante curiosa sobre como tudo isso vai se desenhar nesse começo de 2013, mas a verdade é que agora, finalmente, eu me sinto preparada para entrar de cabeça nisso tudo. Com o pé no chão, sabendo o que preciso fazer para cuidar de mim, conhecendo meus limites e sabendo o que realmente espero do tempo que passarei do outro lado do Atlântico.

Dicas de leitura: Au pairs

Então, eu acredito de verdade que quando uma ideia brota na nossa cabeça, hoje em dia, é simplesmente impossível não recorrer ao google para procurar por fontes de informação sobre aquilo.

A ideia, no meu caso, é o au pair e desde então tenho lido, lido, lido e assistido muitos blogs e vlogs de au pairs, não necessariamente daquelas que estão na Holanda. E eu acho que esses blogs e vlogs ajudam bastante a gente que ainda está aqui pesquisando ou segurando a ansiedade, pelo simples fato de que cada menina expões uma opinião única. Sim, às vezes as opiniões são parecidas, mas cada uma delas vem de experiências diferentes e é legal manter em mente que nossas experiências também serão diferentes e que são elas que nos farão refletir sobre os mesmos temas que essas meninas refletem em seus vlogs e blogs e um dia nós teremos nossas próprias opiniões.

Não sei se me fiz clara, mas gostaria de compartilhar com vocês alguns desses blogs e vlogs (alguns já estão há algum tempo aqui na aba do + + e +, mas outros não e não acho que todo mundo olhe aquela aba).

Vlogs
Vou começar listando os vlogs porque eles são só dois. Tanto a Karol quanto a Nayra são (foram) au pairs nos EUA, mas pelos vídeos, tirando a parte de rotina/uso do carro, dá pra ver que os sentimentos, as ansiedades, dúvidas e curiosidades são bem parecidas com as de alguém que quer ser ou já é au pair em outros lugares, como na Holanda, por exemplo. A Karol já está de volta no Brasil (enquanto a Nayra continua atualizando de lá), mas é bem legal de fuçar o histórico dela.

Canal: Nayra Karla

Canal: Au Pair Karol

Blogs
Os blogs são vários! Eu acho inclusive que minha pastinha com a tag Holanda! no google reader é a que tem mais feeds, porque eu vou assinando feito louca os blogs de todas as meninas que eu descubro que são ou querem ser au pairs na Holanda,  principalmente. Mas a história é a mesma com as au pairs de outros cantos, nossas dúvidas e anseios são universais, por isso essa listinha engloba blogs de meninas que também estão nos EUA.

O Yasmin quer falar é um blog fofo. A dona dele, claro, é a fofa da Yasmin, uma carioca que está na louca busca por família. Estamos no mesmo barco, na mesma agência, na mesma fase do processo. É bastante legal acompanhar os pequenos avanços que ela vai tendo conforme eu vou tendo também.

O Hoi… it’s Holland! é escrito pela Walquirya, uma paulistana de 22 anos que está vivendo há pouco mais de um mês em Huizen. É um blog simples, pessoal, mas bastante divertido de acompanhar. Ela fala basicamente do que está acontecendo em seu dia a dia, mas de maneira bem humorada. É uma leitura gostosa.

O blog da Mariana é outra leitura bastante divertida. Infelizmente ela não o atualiza desde junho, mas é bastante legal fuçar os arquivos, principalmente dos meses do comecinho de 2012, quando ela tinha acabado de chegar na Holanda e narrava sua adaptação ao país, sob neve, vinda das quentes terras nordestinas.

Não tão atualizado, mas ainda respirando é o Minhas Relações Internacionais, da Lara. Ela fala da rotina, claro, lá nos Países Baixos, mas escreve por temas e também conta de suas andanças por outros territórios europeus. Ela escreve de maneira bastante descontraída, o que faz a gente devorar o blog.

O Before the Winter é um blog completamente diferente de todos já listados aqui porque é um blog de alguém que lutou muito para realizar o sonho de ser au pair na Holanda, mas que quando chegou lá percebeu que nem tudo é como a gente imagina. Sim, eu acredito que todas as meninas percebem isso, mas a autora deste explora bastante a parte “chata” de ser au pair. Ela já voltou para o Brasil, mas seus desabafos estão ali para quem quiser ler. Eu acho bastante interessante.

O 365 dias é um blog de memórias. Jenny, uma menina linda, é daquelas apaixonantes. As memórias dela são escritas de tal maneira que a gente fica com um gostinho muito bom na boca e ler o blog é um deleite. Conforme vamos lendo, post a post, a vontade que temos é de, quando for a nossa vez, se entregar ao menos 10% do que ela se entregou às coisas que vamos viver.

O blog da Nadja, A Caçadora de Esmeraldas, foi o primeiro blog de uma au pair na Holanda que eu li, numa madrugada no finalzinho de 2011, quando eu estava procurando loucamente por mais informações sobre o processo. Ela foi au pair lá em 2009 e atualiza o blog até hoje, às vezes tratando do assunto “au pair”, mas fuçar os arquivos é bastante interessante e descobrir tudo o que sentimos além de universal, é atemporal.

O we, au pairs é um blog que está apenas começando. Apesar de ser escrito em inglês, ele é feito por 3 brasileiras que com o tempo e as vivências holandesas vão encher os arquivos com novidades, curiosidades e banalidades da vida de au pairs nesse pequeno país europeu.

Eu acho que já dei dicas o suficiente de leituras, né? No final darei só uma dica de um blog sobre ser au pair nos EUA, mas acho que é uma das melhores que eu poderia dar. O Blog das 30 Au Pairs é exatamente o que o título indica. Ele é escrito por 30 meninas, algumas futuras, algumas atuais e outras ex-au pairs nos Estados Unidos. Cada uma posta em um dia do mês e escreve sobre o que tem vivido. É bacana porque ao mesmo tempo conseguimos todo o tipo de opinião, afinal, são trinta meninas diferentes falando sobre todas as partes do processo. Temos os anseios, temos o dia a dia e temos a voz da experiência.

Rugby, de novo.

Lá vou eu, novamente, falar do Rugby…

Mas é que vocês precisam entender o quanto isso faz bem pra mim. Não é só uma maneira de manter a boa forma (até porque isso não funciona muito bem comigo), mas o rugby pra mim é uma das melhores maneiras de manter os espíritos elevados, criar laços e me dedicar a algo que definitivamente me acrescenta algo.

Desde que me envolvi com o esporte tenho conhecido pessoas incríveis, feito amizades lindas e tido a oportunidade de jogar ao lado de pessoas com quem eu me importo de verdade. E posso falar? Essa geração do time da Cásper reúne grandes meninas. É sempre um prazer entrar em campo ao lado delas, não importa se ainda temos muito rugby para aprender, crescer com elas é muito gostoso!

Não vou me prolongar, só queria avisar ao mundo, que o rugby no país está crescendo cada vez mais e mais rápido e o cenário hoje nesse começo de 2012 é bem diferente do cenário do começo de 2007. Temos mais times universtários, mais times novatos, muito mais meninas que conhecem e não temem o esporte que estão dispostas a jogar e isso é maravilhoso. Fazer parte de tudo isso é importantíssimo, porque não são todas que dispõem do necessário para fazer parte de um clube com uma estrutura mais tradicional, como existe aqui de São Paulo e outros lugares do país.

Fevereiro de 2007

Muitas de nós descobrimos no esporte uma paixão que nós mesmas não sabíamos que existia. Roxos viram premios, ralados sinônimo de status e cada partida gera mais uma infinidade de histórias! São os 14 minutos com o maior potencial para acontecimentos extraordinários que eu já vi, e eu sempre aguardo os meus próximos 14 para comprovar, invariávelmente, que sim. Tudo isso vale muito a pena!

Fevereiro de 2012